[RESENHA] PEOPLE KNITTING: A CENTURY OF PHOTOGRAPHS, DE BARBARA LEVINE

[RESENHA] PEOPLE KNITTING: A CENTURY OF PHOTOGRAPHS, DE BARBARA LEVINE

Sinopse: People Knitting is a charming tribute in vintage photographs and printed ephemera to the ever-popular, often all-consuming, craft of knitting. When women posed with their knitting in the earliest nineteenth-century photographs, it demonstrated their virtue and skill as homemakers. Later, knitting became fashionable among the wealthy as a sign of culture and artistic ability. During the two world wars, images of nurses, soldiers, prisoners, and even knitting clubs composed of very serious small boys—all with heads bent down, intent on knitting items (especially socks) for the troops—abounded. In the 1950s and 1960s, as snapshots became ubiquitous, knitters took on a jauntier air, posing with handiwork held proudly aloft. People Knitting is a quirky and fascinating gift for the knitter in your life.”

 

Há um ano, quando pensávamos ingenuamente que a quarentena pela Covid-19 duraria apenas os quarenta dias os quais o nome sugere, e que estes seriam tão longos que não sabíamos como iríamos aguentar (!), eu estava deitada em minha cama, com o celular nas mãos, passeando pela internet, e vi uma peça em tricô. Não me lembro se era em algum site ou rede social, mas aquela peça (feita à mão) capturou a minha atenção de tal modo que eu falei em voz alta: “sempre gostei tanto de tricô, acho tão lindo… Preciso aprender como se faz!”. Era domingo à noite (sempre tenho ideias e vontades aos domingos à noite) e eu iniciei uma pesquisa bem básica pelo google sobre tipos de agulhas de tricô, linhas, onde comprar, onde eu poderia aprender (pela internet, é claro)… Vi em um site que as melhores agulhas para iniciantes eram as de número 4 (não me pergunte o porquê, hoje eu posso afirmar que sou de uma opinião diferente); um bom fio (e barato) era o mollet, da Círculo; encontrei o canal da Day Vaz (Blog by Day) no youtube com um curso gratuito para iniciantes…  Enfim, o tricô me conquistou de vez e de lá pra cá eu fiz muita coisa, aprendi muita coisa (veja meus trabalhos em tricô no Insta @tricotami).

O mais incrível do tricô é que ele nos ensina muito mais que o trabalho em si. Eu aprendi e aprendo muito sobre mim mesma e sobre os outros cada vez que eu passo a linha pela agulha da direita (sou destra) e vejo uma trama se formando ali. O tricô nos mantêm com as mãos ativas, coração quente e em um estado de contemplação difícil de alcançar em outra atividade. Só quem faz entende!

Talvez seja por isso que o livro People Knitting, de Barbara Levine, tenha feito tanto sentido para mim, ainda que os poucos textos da edição sejam em inglês (eu não sou lá tão fluente, mas foi bem tranquilo de entender). Quem me deu a dica deste livro foi a @atelienatpetry, com quem aprendi a fazer tricô topdown (blusas iniciadas pela gola, feitas de cima para baixo, praticamente sem costuras) em um dos cursos de seu ateliê.

People Knitting é um livro de fotografias de pessoas tricotando! Somente isso, se você não é um tricoteiro ou tricoteira, mas um portal mágico para nós, que conseguimos reconhecer facilmente toda a felicidade e o tal estado de contemplação expostos nas fotos. As imagens são dos anos entre 1860 a 1960, o que traz uma bagagem (de curiosidade) histórica bem interessante. Por exemplo, eu nunca havia ouvido falar sobre uma camapanha para que os norte-americanos (não só mulheres, que fique bem claro!) fizessem meias de tricô para soldados combatentes da Primeira Guerra Mundial. Muito menos de um comitê (desta vez, britânico) com a mesma finalidade de fazer meias para a Royal Air Force. Tricô e Primeira Guerra Mundial têm bastante coisa em comum, inclusive no que tange a espionagem. Se quiser saber mais tem essa matéria bem legal do site Hypeness aqui.

Mais um detalhe interessante sobre a publicação é que Barbara, organizadora das imagens, é filha de uma mulher que foi uma tricoteira apaixonada, no entanto ela não tem sequer um único registro de sua mãe tricotando; apenas dela própria usando os tricôs. Gosto de pensar que ela viu o rosto da mãe dela nas pessoas das fotos e resolveu fazer este livro como um presente a todos nós que adoramos essa arte. E também adoramos História!

Veja abaixo algumas das fotos de People Knitting, divulgadas na página do livro na Amazon.

A militante abolicionista, pioneira na luta pelos direitos civis dos negros e das mulheres nos EUA (e tricoteira), Sojourner Truth (1880).

 

Meninos posando elegantemente para a foto com seus projetos em tricô (sim, eram meias para os soldados da Primeira Guerra Mundial. Nova Iorque, EUA, 1918).
Um taxista fazendo um belo trabalho de trico em seu intervalo (1940).

 

Uma mulher “casualmente” flagrada tricotando na rua, toda estilosa. Quem nunca? (Seattle, EUA, 1918)

 

OK, nada a ver com o livro. Essa sou eu com um tricozinho que fiz nas últimas férias (2020).

 

 

Título: People Knitting: a century of photographs

Autora: Barbara Levine

Editora: Princeton Architectural Press

Páginas: 144

Compre na Amazon: People Knitting

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *